||         Modalidades | Tiro

LINK'S DO GINÁSIO
QUANTOS SOMOS
ONDE ESTIVEMOS



2016
 

2015
 

2014
 

2013
 

2012

BIBLIOTECA





 

 

 

RELATÓRIOS DA DIRECÇÃO



2016
 

TIRO


Troféu antigo

A Secção de Tiro do Ginásio Clube Figueirense é dada como tendo sido criada aquando da fundação do clube, em Dezembro de 1897, dirigida por Rodrigo Galvão, J. M. Luiz D’Almeida e Joaquim José de Sousa. Conquanto no período por nós estudado não tenhamos encontrado mais nenhuma referência a esta modalidade ela, de facto, deverá ter sido praticada dado que na própria sede (Teatro Príncipe) existia uma carreira de tiro. Pensamos que esta Secção, terá funcionado nos primórdios um pouco em simbiose com a Secção de Caça, uma vez que estas duas pressupõem a utilização de armas de fogo. No entanto, aquela Secção conhecerá os seus tempos áureos na década de vinte. Foi precisamente em 14 de Julho de 1922, “que se constituiu dentro do Clube a Sociedade de Tiro n.º 13, que já em Agosto do mesmo ano estava filiada na Federação de Tiro Nacional”.

Alcançaram grande notoriedade os seguintes atiradores: José Lopes Abegão, que em 1923 foi seleccionado para a equipa que representou Portugal em S. Sebastian, e nos seus doze anos de actividade (1922 a 33) conquistou mais de 200 prémios! Eduardo Mesquita, Campeão de Portugal de carabina de precisão a 50 metros, em 1926. José dos Santos Ferreira Júnior, Mestre atirador à pistola, Artur José dos Santos, 1º atirador (idem) e Alberto Bastos, medalha de prata na Prova “Gomes Freire” durante três anos.

 Em 1927 o Ginásio triunfou em 3 dos 4 Campeonatos Regionais realizados em Coimbra e no ano seguinte venceu 4 dos 5 Campeonatos das Beiras.

O tiro feminino mereceu nesta época particular carinho, tendo sido instituídas várias Taças para serem disputadas exclusivamente por senhoras.

Na década de 30, o Ginásio deixou de praticar tiro de guerra e de carabina livre e dedicou-se ao tiro de sala, com espingarda de ar comprimido, conquistando vários troféus nos anos 30 e 40.

Na década de 50 ressurge o tiro de guerra e a classe feminina volta a ganhar notoriedade, mas a prática da modalidade cessa na década de 60.

Em 2009 é retomada a atividade do tiro desportivo com a inscrição renovada na Federação Portuguesa de Tiro e a instalação de uma Carreira de Tiro de Sala no Pavilhão Galamba Marques. 


Carreira de Tiro do Pavilhão

 

 

 

APOIOS E PARCERIAS

DRA. EMILIA FALCÃO
DENTISTA

 



Consultório POLIVALENTE
DE S. JULIÃO




Clinica da Lapa

Aquaparque Teimoso









   FIGUEIRA DA FOZ   






 


 


CONSULTRAINING

 


Centro Clínico
Pedro Santos & Filhos, Lda Saúde

 

 


















 







ORGANIGRAMA
GINÁSIO SOLIDÁRIO
 
REVISTA ANUAL